José Manuel FERNANDES


headshot of José Manuel FERNANDES

Constituencies

  • Partido Social Democrata 2014/07/01 - 9999/12/31
Show earlier Constituencies...

Groups

  • icon: PT Portugal icon: PPE PPE Member Group of the European People's Party (Christian Democrats) 2014/07/01 - 9999/12/31
Show earlier groups...

Committees

RoleCommitteeStartEnd
Member of Committee on Budgets 2014/07/01 9999/12/31
Substitute of Committee on Economic and Monetary Affairs 2014/07/01 9999/12/31
Show earlier commitees...

Delegations

RoleDelegationStartEnd
Member of Delegation to the Parliamentary Assembly of the Union for the Mediterranean 2014/07/14 9999/12/31
Member of Delegation for relations with the Maghreb countries and the Arab Maghreb Union 2014/07/14 9999/12/31
Substitute of Delegation to the ACP-EU Joint Parliamentary Assembly 2014/07/14 9999/12/31
Show earlier delegations...

Contact

Online

  • Homepage
    http://www.josemanuelfernandes.eu
  • Mail
    [javascript protected email address]

Brussels

  • Phone
    +322 28 45165
  • Fax
    +322 28 49165
  • Office
    Bât. Altiero Spinelli 08E146
  • Full Address

Strasbourg

  • Phone
    +333 88 1 75165
  • Fax
    +333 88 1 79165
  • Office
    Bât. Louise Weiss T09023
  • Full Address

Postal

  • European Parliament
  • Rue Wiertz
  • Altiero Spinelli 08E146
  • 1047 Brussels

Rapporteur

Shadow 2014/2185(BUD) Mobilisation of the European Globalisation Adjustment Fund: redundancies in the air transport sector in France
Shadow 2014/2183(BUD) Mobilisation of the European Globalisation Adjustment Fund: redundancies in the retail sector in Greece
Shadow 2014/2170(BUD) Mobilisation of the European Globalisation Adjustment Fund: redundancies in the manufacture of electrical equipment sector in Italy
Responsible 2014/2161(BUD) Mobilisation of the EU Solidarity Fund: flooding in Serbia, Croatia and Bulgaria in 2014
Shadow 2014/2055(BUD) Mobilisation of the European Globalisation Adjustment Fund: redundancies in the construction of buildings in the Netherlands
Shadow 2014/2054(BUD) Mobilisation of the European Globalisation Adjustment Fund: redundancies in food and beverage services in Spain
Shadow 2014/2041(BUD) Mobilisation of the European Globalisation Adjustment Fund: technical assistance by the Commission
Opinion 2014/0115(NLE) EU/São Tomé and Príncipe Fisheries Partnership Agreement: fishing opportunities and financial contribution 2014-2018. Protocol
Responsible 2013/2255(BUD) Mobilisation of the EU Solidarity Fund: drought in Romania in 2012 and flooding in Germany, Austria and the Czech Republic in 2013
Responsible 2013/2085(BUD) Mobilisation of the EU Solidarity Fund: flooding in Slovenia, Croatia and Austria in 2012
Responsible 2013/2085(BUD) Mobilisation of the EU Solidarity Fund: flooding in Slovenia, Croatia and Austria in 2012
Responsible 2012/2237(BUD) Mobilisation of the EU Solidarity Fund: earthquakes in Italy in 2012
Responsible 2012/2230(BUD) Mobilisation of the European Globalisation Adjustment Fund: redundancies in printing machinery manufacturing in Germany
Responsible 2012/2051(BUD) Mobilisation of the EU Solidarity Fund: flooding in Italy in 2011
Responsible 2011/2020(BUD) 2012 budget: all sections
Responsible 2011/2020(BUD) 2012 budget: all sections
Responsible 2011/2018(BUD) 2012 budget: estimates of revenue and expenditure - section I, Parliament
Responsible 2011/2018(BUD) 2012 budget: estimates of revenue and expenditure - section I, Parliament
Responsible 2011/2017(BUD) 2012 budget: priorities - other sections
Responsible 2011/2017(BUD) 2012 budget: priorities - other sections
Opinion 2011/0340(COD) Consumer programme 2014-2020
Opinion 2011/0340(COD) Consumer programme 2014-2020
Opinion 2010/2274(INI) Universal service and '112' emergency number
Opinion 2010/2274(INI) Universal service and '112' emergency number
Opinion 2010/2139(INI) Report 2010 on the implementation of the Cohesion Policy programmes for 2007-2013
Opinion 2010/2139(INI) Report 2010 on the implementation of the Cohesion Policy programmes for 2007-2013
Shadow 2010/2003(BUD) 2011 budget, other sections: guidelines
Responsible 2009/2153(INI) Report on the Commission Green Paper on the management of bio-waste in the European Union
Responsible 2009/2153(INI) Report on the Commission Green Paper on the management of bio-waste in the European Union

Born

1967/07/26 Vila Verde

Amendments

AmendmentsDossier
4 2007/0286(COD) Industrial emissions. Integrated pollution prevention and control (repeal. Directives 78/176/EEC, 82/883/EEC, 92/112/EEC, 1999/13/EC, 2000/76/EC and 2008/1/EC). Recast
2010/03/30 ENVI 4 amendments...
source: PE-439.994
3 2008/0028(COD) Provision of food information to consumers (amend. Regulations (EC) No 1924/2006 and (EC) No 1925/2006; repeal. Directives 90/496/EEC and 2000/13/EC)
2009/12/22 ENVI 3 amendments...
source: PE-431.051
3 2008/0241(COD) Waste electrical and electronic equipment (WEEE). Recast
2010/11/03 ENVI 3 amendments...
source: PE-439.856
3 2009/2152(INI) Report on the Commission White Paper: 'Adapting to climate change: towards a European framework for action'
2010/02/22 ENVI 3 amendments...
source: PE-439.124
7 2010/2003(BUD) 2011 budget, other sections: guidelines
2010/02/25 BUDG 7 amendments...
source: PE-439.234
9 2010/2004(BUD) 2011 budget, section III, Commission: guidelines
2010/02/26 BUDG 9 amendments...
source: PE-439.297
2 2010/2005(BUD) 2011 budget, other sections: Parliament's estimates of revenue and expenditure for the financial year and the budget
2010/04/20 BUDG 2 amendments...
source: PE-440.144
3 2010/2014(BUD) Amending budget 1/2010: other sections, European Parliament, estimates of revenue and expenditure
2010/01/26 BUDG 3 amendments...
source: PE-438.285
3 2010/2072(INI) Funding and functioning of the European Globalisation Adjustment Fund
2010/06/25 BUDG 3 amendments...
source: PE-443.137
7 2010/2106(INI) Commission Green Paper "On forest protection and information in the EU: preparing forests for climate change"
2011/02/15 ENVI 7 amendments...
source: PE-458.623
1 2010/2139(INI) Report 2010 on the implementation of the Cohesion Policy programmes for 2007-2013
2010/10/12 ENVI 1 amendments...
source: PE-454.503
6 2010/2211(INI) Investing in the future: a new Multiannual Financial Framework (MFF) for a competitive, sustainable and inclusive Europe
2010/12/20 ENVI 1 amendments...
source: PE-454.678
2011/05/04 SURE 4 amendments...
source: PE-462.731
2011/08/04 SURE 1 amendments...
source: PE-462.730
2 2010/2274(INI) Universal service and '112' emergency number
2011/04/20 ENVI 2 amendments...
source: PE-464.678
22 2011/0177(APP) Multiannual financial framework for the years 2014-2020
2012/05/10 BUDG 7 amendments...
source: PE-496.663
2012/07/18 ENVI 15 amendments...
source: PE-494.509
9 2011/0340(COD) Consumer programme 2014-2020
2012/04/19 BUDG 9 amendments...
source: PE-487.806
3 2011/0461(COD) Union Civil Protection Mechanism 2014-2020
2012/10/22 BUDG 3 amendments...
source: PE-498.028
1 2011/2019(BUD) 2012 budget: mandate for the trilogue
2011/05/24 BUDG 1 amendments...
source: PE-465.029
26 2011/2020(BUD) 2012 budget: all sections
2011/06/10 BUDG 26 amendments...
source: PE-473.841
4 2012/0309(COD) Visas: third countries whose nationals are subject to or exempt from a visa requirement
2013/07/12 LIBE 4 amendments...
source: PE-514.815
7 2012/0366(COD) Tobacco and related products: manufacture, presentation and sale
2013/05/14 ENVI 5 amendments...
source: PE-510.711
2013/05/21 ENVI 1 amendments...
source: PE-510.717
2013/05/29 ENVI 1 amendments...
source: PE-510.711
1 2012/2001(BUD) 2013 budget, other sections: guidelines
2012/01/31 BUDG 1 amendments...
source: PE-480.738
3 2012/2092(BUD) 2013 general budget: all sections
2012/07/25 ENVI 3 amendments...
source: PE-494.517
5 2012/2187(DEC) 2011 discharge: European Environment Agency (EEA)
2012/12/20 ENVI 5 amendments...
source: PE-502.117
2 2012/2190(DEC) 2011 discharge: European Medicines Agency (EMA)
2012/12/20 ENVI 2 amendments...
source: PE-502.119
2 2012/2195(DEC) 2011 discharge: European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC)
2012/12/20 ENVI 2 amendments...
source: PE-502.118
1 2012/2196(DEC) 2011 discharge: European Food Safety Authority (EFSA)
2012/12/20 ENVI 1 amendments...
source: PE-502.122
1 2012/2203(DEC) 2011 discharge: European Chemicals Agency (ECHA)
2012/12/20 ENVI 1 amendments...
source: PE-502.120
1 2013/0248(COD) EU Solidarity Fund: technical adjustments
2013/12/17 BUDG 1 amendments...
source: PE-526.122
1 2013/0315(NLE) EC/Morocco Fisheries Partnership Agreement: fishing opportunities and financial contribution. EU/Morocco Protocol
2013/10/22 BUDG 1 amendments...
source: PE-521.844
2 2013/2042(INI) Effects of budgetary constraints for regional and local authorities regarding the EU's Structural Funds expenditure in the Member States
2013/06/04 REGI 2 amendments...
source: PE-513.144
4 2013/2145(BUD) 2014 general budget: all sections
2013/08/28 ENVI 4 amendments...
source: PE-516.848
19 2014/2040(BUD) 2015 general budget: all sections
2014/10/03 BUDG 19 amendments...
source: PE-539.614
6 2014/2224(BUD) 2015 general budget: all sections; new proposal
2014/12/12 BUDG 6 amendments...
source: PE-544.380

History

(these mark the time of scraping, not the official date of the change)

2014-12-28
activities/COMPARL/8/0/dossier deleted
  • 2014/0115(NLE)
    • 3.15.15.02 Fisheries agreements with African countries
    • 6.40.07 Relations with the African countries
activities/COMPARL/8/0/term deleted 8
activities/COMPARL/8/0/type deleted COMPARL
activities/CRE/8/0/term deleted 8
activities/CRE/8/0/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ). - Senhor Presidente, Senhor Comissário, caras e caros Colegas, a coordenação, a partilha, a sincronização, o máximo de transparência são fundamentais na governação da União Europeia, mas a prevenção é crucial. Agarro aqui o ditado popular mais vale prevenir do que remediar , e esta é uma forma de dizer, enquanto português: troica, nunca mais.

Com esta legislação, o six-pack e o two-pack , reforçamos a credibilidade e a confiança no espaço, nas instituições, da União Europeia. Permite identificar os problemas e corrigi-los, antes que se transformem em desequilíbrios sem solução. A prevenção e as medidas corretivas promovem a responsabilidade e, consequentemente, a solidariedade.

Acumular défice e aumentar a dívida de forma insustentável tem um preço que todos pagamos, e sobretudo as gerações futuras. Mas precisamos de uma interpretação flexível e inteligente do six-pack e do two-pack . É necessário que permitam e que tenham como objetivo a defesa do crescimento económico e do emprego, a defesa da competitividade, sem que a credibilidade dos compromissos seja colocada em causa.

Para além disso, a coesão social, a coesão territorial é outra preocupação que a interpretação flexível e inteligente destes six-pack e two-pack deve permitir.

activities/CRE/8/1/term deleted 8
activities/CRE/8/1/text deleted

  José Manuel Fernandes, em nome do Grupo PPE . – Em primeiro lugar queria congratular todos os intervenientes porque eu considero que a união, a persistência do Parlamento Europeu, permitiu um bom acordo no que diz respeito aos orçamentos de 2014, aos orçamentos retificativos, e também ao orçamento de 2015, não esquecendo algo que é fundamental que é o plano de pagamentos da dívida da União Europeia. E não tenhamos medo de lhe chamar dívida , porque é disso que se trata.

Tal permite a credibilidade das instituições da União Europeia e a concretização das nossas prioridades relativas ao crescimento e ao emprego. Este acordo permite ainda estabilizar a dívida da União Europeia e evitar o colapso do orçamento. Assim, em 2014, temos cerca de quatro mil milhões de euros de receitas extraordinárias para fazer face ao elevado nível dos não-pagos. Estavam em cima da mesa receitas extraordinárias do orçamento da União Europeia em 2014 que eram resultantes, nomeadamente, de multas.

Sem este acordo, os Estados-Membros receberiam estas receitas nos respetivos orçamentos nacionais, o que era inaceitável, até porque há um elevado montante de faturas já vencidas e não pagas como referi.

Relativamente a 2015, também conseguimos que os cortes que o Conselho propunha fossem minimizados. Para além disso, reforçámos os compromissos no que diz respeito aos programas destinados ao emprego e ao crescimento. A solidariedade externa da União Europeia também ela foi reforçada no que diz respeito à ajuda humanitária. Em 2015, tal como acordámos com a Comissão e com o Conselho, temos de ter um plano para fazer face às faturas já vencidas e não pagas. A União Europeia deve aplicar a ela própria o mesmo rigor que pede aos Estados-Membros e, para além disso, deve cumprir os seus compromissos, nomeadamente o que adotou no quadro financeiro plurianual.

activities/CRE/8/2/term deleted 8
activities/CRE/8/2/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito. — A política de coesão é a principal política de investimento à escala da UE na economia real e um catalisador reconhecido do crescimento e do emprego na UE, com um orçamento de mais de 350 mil milhões de euros até 2020 sendo, por isso, uma parte importante da estratégia da UE para corrigir os desequilíbrios e as desigualdades regionais, promover a diversificação e a adaptação às mutações industriais e alcançar a coesão económica, social e territorial.

Para além do atraso na implementação para o período de programação 2014-2020, a política de coesão defronta-se igualmente com um atraso dos pagamentos que ascende a cerca de 23 mil milhões de euros para o período de programação 2007-2013, o que deve ser motivo de preocupação. Posto isto, é fundamental que a Comissão e os Estados -Membros dêem mostras de responsabilidade e envidem todos os esforços para acelerar a adoção de um número máximo de programas operacionais em 2014.

activities/CRE/8/3/term deleted 8
activities/CRE/8/3/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito. — Em 2012 morreram cerca de 6,6 milhões de crianças com menos de 5 anos de idade, na sua maioria devido a causas evitáveis; 168 milhões de crianças com idades compreendidas entre os 5 e os 17 anos estão envolvidas em alguma forma de trabalho infantil; 11 % das raparigas casam antes de atingir os 15 anosdeidade; mais de 59milhões de crianças foram diretamente afetadas por crises, ligadas sobretudo a conflitos e há cerca de 250000crianças-soldados no mundo.Só em 2012, quase 95000 criançaseadolescentes com idade inferior a20 anos foram vítimas de homicídios, quase mil milhões de crianças com idades compreendidas entre os2e14anos foram submetidas a castigos físicos, um em cada três adolescentes com idades compreendidas entre os13eos15anos foram vítimas de assédio,cercade70milhõesdejovenscomidades compreendidas entre os 15 e os 19 anos foram vítimas de alguma forma de violência física e 120 milhões de meninas em todo o mundo foram forçadas a ter relações sexuais em algum momento das suas vidas.Números que merecem uma reflexão no 25aniversário da Convenção das NU sobre os Direitos da Criança sendo também uma oportunidade para garantir a sua aplicação integral no plano programático e na prática e para tomar medidas adicionais que garantam o respeitodos direitos das crianças, especialmente das mais vulneráveis.

activities/CRE/8/4/term deleted 8
activities/CRE/8/4/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito. — O mercado único digital é uma das áreas em evolução que, embora comporte desafios, oferece possibilidades de obter importantes ganhos de eficiência, que podem elevar-se a 260 mil milhões de euros por ano, e, por conseguinte, pode contribuir para que a Europa saia da crise. Este é um dos setores mais inovadores da economia e que, por essa razão, desempenha um papel importante na competitividade da economia europeia mas não só oferece vantagens económicas, como também tem um profundo impacto na vida cultural, social e política quotidiana dos consumidores e dos cidadãos da EU.

No entanto, este mercado não pode ser competitivo sem redes de banda larga e de telecomunicações rápidas e de alto débito em todas as regiões da UE, incluindo as regiões periféricas sendo fundamental que os Estados Membros envidem esforços sustentados para a aplicação da regulamentação em vigor e a execução da mesma no âmbito de uma estratégia global. Recorde-se que só o comércio eletrónico, poderia fazer poupar aos consumidores mais de 11,7 mil milhões de euros por ano se eles pudessem escolher entre toda a gama de bens e serviços da UE sempre que fazem compras em linha.

activities/CRE/8/5/term deleted 8
activities/CRE/8/5/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito. — Cerca de 1000 milhões de pessoas ainda sofrem de fome e, no mundo, pelo menos 225 milhões de crianças com menos de cinco anos sofrem de subnutrição aguda e crónica estimando-se que 2,6 milhões destas crianças morram todos os anos nos países em desenvolvimento. Cerca de dois mil milhões de pessoas no mundo, ou uma em cada três pessoas nos países em desenvolvimento, sofrem de uma deficiência crónica de vitaminas e minerais essenciais. Quase 20 milhões de crianças sofrem ainda de malnutrição aguda em último grau, quer em situações de emergência quer em situações não urgentes, e apenas 10 % dessas crianças têm acesso a tratamento;

É por isso, crucial que os governos reafirmaram o direito à alimentação e se comprometam a reduzir para metade, ou seja, de 840 para 420 milhões, o número de pessoas com fome e malnutridas até 2015. A UE deve aumentar o apoio destinado a uma agricultura sustentável de pequena e média dimensão que produza sobretudo para consumo local e invista em planos participativos de iniciativa nacional, a executar a nível local, em cooperação com os agricultores e com os seus representantes, com as autoridades locais e regionais e com organizações da sociedade civil.

activities/CRE/8/6/term deleted 8
activities/CRE/8/6/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito. — As alterações climáticas representam uma ameaça urgente e potencialmente irreversível para as sociedades humanas, a biodiversidade e o planeta, o que requer, assim, um tratamento de todas as Partes a nível internacional. Constituem, ainda, uma ameaça sem precedentes tanto para a biosfera e para a produção e para o abastecimento de alimentos e água, especialmente no tocante às populações mais pobres da maioria dos continentes, como para a saúde, o bem-estar e o desenvolvimento económico no mundo inteiro.

As alterações climáticas tiveram um impacto nos sistemas naturais e humanos em todos os continentes e nos oceanos e estão a afetar a flora e a fauna do planeta. No entanto, a UE tem vindo a diminuir as suas emissões e, em consequência, quase passou para metade a intensidade média de emissões entre 1990 e 2012 e reduziu as emissões per capita em 25 %. Segundo o Banco Mundial, a luta contra as alterações climáticas acrescentaria anualmente até 1,9 biliões de euros sendo importante que os governos tomem, sem mais demora, medidas concretas contra as alterações climáticas e em prol de um acordo global em Paris, em 2015, com vista a atingir este objectivo.

activities/CRE/8/7/term deleted 8
activities/CRE/8/7/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito . - O Fundo Europeu de ajustamento à globalização foi criado para fornecer suporte adicional para trabalhadores despedidos na sequência de importantes mudanças estruturais nos padrões do comércio mundial devido à globalização ou crise financeira e ajudá-los a encontrar novos empregos. Entre 2014 e 2020, o limite máximo anual do fundo é de € 150 milhões. Aos trabalhadores despedidos são oferecidos medidas tais como suporte para a criação de empresas, assistência na procura de emprego, orientação profissional e vários tipos de formação. Na maioria dos casos, as autoridades nacionais já começaram a tomar medidas em obter seus custos reembolsados pela UE, quando seus pedidos são aprovados.Nesta mobilização do FEG,as autoridadesfinlandesasapresentaram em27demaio de 2014acandidatura«EGF/2014/008 FI/STX Rauma» a uma contribuição financeira do FEG, na sequência do despedimento de 577 trabalhadores na empresa STX Finland Oy, que operava no setor económico classificado na divisão 30 da NACE Rev. 2 «Fabricação de outro equipamento de transporte» sob o argumento de que a indústria marítima mundial sofreu alterações dramáticas nos últimos anos e que, neste contexto global,a quota de mercado da UE no setor da construção naval(4)desceu de13% em2007 para5%nos3primeiros trimestres de2013,ao passoquea parteequivalente do conjunto formado pela China,aCoreia do Sul e oJapão aumentou de 77% em 2007 para 86% no mesmo período de 2013.Votei favoravelmente.

activities/CRE/8/8/term deleted 8
activities/CRE/8/8/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito . - O Fundo Europeu de ajustamento à globalização foi criado para fornecer suporte adicional para trabalhadores despedidos na sequência de importantes mudanças estruturais nos padrões do comércio mundial devido à globalização ou crise financeira e ajudá-los a encontrar novos empregos. Entre 2014 e 2020, o limite máximo anual do fundo é de € 150 milhões. Aos trabalhadores despedidos são oferecidos medidas tais como suporte para a criação de empresas, assistência na procura de emprego, orientação profissional e vários tipos de formação. Na maioria dos casos, as autoridades nacionais já começaram a tomar medidas em obter seus custos reembolsados pela UE, quando seus pedidos são aprovados. Nesta mobilização do FEG , as autoridades francesas apresentaram a candidatura EGF/2014/005 FR/GAD, em 6 de junho de 2014, na sequência do despedimento de 744 trabalhadores na empresa GAD société anonyme simplifiée, uma empresa que opera no setor económico classificado na divisão 10 («Indústrias alimentares») da NACE Rev. 2. Nesta mobilização do FEG a favor desta região da Bretanha foram concedidos (EUR) 918 000 para ajuda na reintegração no mercado de trabalho de trabalhadores Votei favoravelmente.

activities/CRE/8/9/term deleted 8
activities/CRE/8/9/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito. — As relações entre a União Europeia e o Canadá sobre o tratamento dos dados dos registos de identificação dos passageiros têm quase 10 anos. No entanto, desde 2009 a base jurídica para a transferência de dados da União Europeia para o Canadá cessou de existir, mesmo que os Serviços de Fronteiras daquele país tenha decidido, unilateralmente, garantir à UE o cumprimento das obrigações resultantes desse acordo. O próprio Conselho já deu o seu aval para que a Comissão comece as negociações para a celebração de um novo acordo.

A verdade é que a Autoridade Europeia para a Proteção de Dados, levantou dúvidas sobre a necessidade e proporcionalidade deste acordo e o próprio Tribunal de Justiça declarou inválida a Diretiva relativa à conservação de dados. Com tantas incertezas jurídicas é urgente uma clarificação sobre esta matéria das entidades competentes, nomeadamente do Tribunal de Justiça.

activities/CRE/8/10/term deleted 8
activities/CRE/8/10/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito. — A erradicação da pobreza em 2015 sempre foi assumida como um dos principais objectivos de desenvolvimento do Milénio por todas as partes que assinaram o documento para a concretização desse desiderato. As avaliaçõesentretanto feitas,salientam os processos obtidos na sua concretização reforçandoanecessidade de uma forteligação entre a erradicação da pobreza e a promoção do desenvolvimento sustentável. No entanto a redução da pobreza é desigual e asdesigualdades entre países e a nível interno,agravaram-se tanto nos países desenvolvidos como nos países em desenvolvimento, representam um grande desafio para o desenvolvimento.Ainda hoje há 1,5milmilhões depessoas que vivem na pobreza com carências ao nível da saúde, da educação e das condições de vida.Por isso,é urgente e necessário reforçar comoprioridade a erradicaçãoda pobreza,aredução dadesigualdade e desenvolvimento sustentável,ter uma abordagem baseada nos direitos humanos,prevenir conflitos,pensar na recuperação pós-conflito,consolidar a paz e promover uma paz duradoura; atenuar as alterações climáticas,proteger o ambiente e reduzir os riscos de catástrofe aliando a segurança alimentar,nutrição, agricultura sustentável, combate à degradação dos solos,água e saneamento,asaúde e a educação eassumir um papel central dasmulheres no quadro de desenvolvimento global pós-2015 bem como um crescimento inclusivo e sustentável,emprego e criação de postos de trabalho dignos.Ospróprios EM devem respeitar o compromisso de afetarpelo menos0,7% doRNBàAPD

activities/CRE/8/11/term deleted 8
activities/CRE/8/11/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito. — Os níveis de desemprego têm continuado a crescer em alguns EM desde a entrada em vigor,da EstratégiaEuropa2020 e onível de desempregon UE-28atingiu o nívelalarmante de10,1% em 2014,com 24,6milhões dedesempregadosnaUE,verificando-se também um aumentodo número de trabalhadores em situação de pobreza.Números mais preocupantes são os que se registam nas regiões ultraperiféricas,onde ataxa média de desemprego é de 24 % e a taxa de desemprego entre os jovens atingeos51%.Também o número de pessoas em risco de pobreza tem vindo a aumentar fixando-se,actualmente, em mais de122,6milhões de pessoas atingidas ea taxaderiscode pobrezanaUE ascende, em média,a24,8%, sendo de28% no caso das crianças(até aos 18 anos de idade).A tx depobrezadas pessoas com deficiência é70% superior àmédia,em parte devido a limitações no acesso ao empreg.

As elevadas taxas de desemprego na UE estão intrinsecamente relacionadas coma diminuiçãoda base de produção industrial etransformadora,noentanto,em2020serão necessários mais de 16milhões decidadãos no mercado de trabalho para atingir a meta da taxa de emprego de75% em2020tornando-se, por isso necessário melhorar as competências dos jovens em matéria deliderança,gestão e empreendedorismo,de modo que as novas empresas easempresas em fase de arranque possam tirar proveito de novos mercados e realizar o seu potencial de crescimento. Saliente-se ainda que a Comissão terá que resolver a questão dofinanciamento porque os 6milhões€ não são suficientes para resolver oproblemadodesempregojuvenilnaUE.

activities/CRE/8/12/term deleted 8
activities/CRE/8/12/text deleted

  José Manuel Fernandes, em nome do Grupo PPE . – Senhora Presidente, Senhora Comissária, Representante do Conselho, caras e caros Colegas, quero sublinhar que o Parlamento, apesar da diversidade que é salutar e que se sublinha também, tem estado unido. Também é uma constatação o facto de o Conselho estar desunido nesta matéria. É importante que, neste espaço que agora temos, o apanhemos como uma oportunidade, uma oportunidade para um novo projeto de orçamento, uma oportunidade também para se conseguir um acordo dentro do Conselho.

Aquilo que o Parlamento quer deveria ser aquilo que o Conselho também deveria querer. Nós não queremos mais dinheiro, nós queremos ajudar a pagar as dívidas, a nossa ambição já não é sequer pagar o que se deve, é estabilizar a dívida. Nós queremos credibilidade, nós também queremos, e queria saudar o plano de pagamentos para o futuro, Senhora Comissária, mas é importante que esse plano de pagamentos não seja feito à custa de atrasos de programas que já deveriam estar em funcionamento, porque quando nós estamos a dizer que ao fim deste ano corremos o risco de ter 30 mil milhões de euros de faturas por pagar, isso significa que estamos a prejudicar o crescimento e o emprego, a penalizar as pequenas e médias empresas, a contribuir também para dificuldades para as autoridades nacionais e locais, a prejudicar os agricultores. E quem quer crescimento e emprego, como eu presumo que o Conselho também quer, para além de pagar o que deve, deve utilizar os instrumentos à sua disposição para o crescimento, o orçamento é um deles, o respeito pelo Quadro Financeiro Plurianual deveria também ser algo que fosse comum a todos nós.

(O orador aceita responder a uma pergunta segundo o procedimento “cartão azul”, nos termos do artigo 162°, n.°8 do Regimento)

activities/CRE/8/13/term deleted 8
activities/CRE/8/13/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), Resposta segundo o procedimento “cartão azul” . – Deve-se a uma razão muito simples: há uma maioria no Conselho para aprovar autorizações para a execução de projetos, para o avanço de novos programas e, depois, o resultado destas autorizações são faturas, são pagamentos e o incrível e difícil de explicar é que a mesma maioria no Conselho, que autoriza programas e projetos, depois não consegue ter essa mesma maioria, não autoriza os pagamentos.

Não há aqui nenhuma irregularidade, não é má gestão, é uma questão política e é algo de inadmissível que os nossos cidadãos não compreendem. Como é que não se paga aquilo que se autoriza e muitas vezes se pede.

activities/CRE/8/14/term deleted 8
activities/CRE/8/14/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ). - Senhor Presidente, Senhora Comissária, a política de coesão, constituída pelo Fundo Social Europeu, pelo FEDER, pelo Fundo de Coesão, contribui para o crescimento inclusivo, para o crescimento sustentável, para o crescimento inteligente, ajuda a atingir os objetivos que definimos, no emprego, na investigação e inovação, ajuda a reforçar a nossa competitividade, a melhorar as nossas competências, a contribuir para o combate às alterações climáticas e a contribuir também para o combate à pobreza.

A política de coesão, para além de significar coesão económica, territorial e social, significa também competitividade, criação de emprego, criação de riqueza. É por isso inadmissível que ela possa ser vista como uma política de ajustamento.

O que se passa é que o orçamento da União Europeia está com um problema grave nos pagamentos, e é inaceitável que a política de coesão – aquela que melhor permite a solidariedade interna, aquela que contribui para o crescimento económico, para a coesão territorial e social – seja a penalizada.

O Conselho, em 2013, deixou de pagar 23,4 mil milhões de euros. Este ano corremos o risco de ter um montante superior, e ninguém percebe. Como é que alguém que defende o crescimento, o emprego, como é que alguém que tem uma política e um instrumento para o crescimento não paga o que deve, não paga aquilo que autorizou?

Isto é muito fácil de resolver: cumpram-se os compromissos que foram assumidos com os cidadãos da União Europeia.

activities/CRE/8/15/term deleted 8
activities/CRE/8/15/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito. - O FEG foi criado para fornecer suporte adicionalpara trabalhadores despedidos nasequência de importantes mudanças estruturais nos padrões do comércio mundial devido à globalização ou crise financeira e ajudá-los a encontrar novos empregos. Entre 2014e2020,o limite máximo anual do fundo é de €150milhões. Aos trabalhadores despedidos sãooferecidos medidas tais como suporte para a criação de empresas, assistência na procura de emprego, orientação profissional e vários tipos de formação. Na maioria dos casos, as autoridades nacionais já começaram a tomar medidas em obter seus custosreembolsados pela UE,quando seus pedidossão aprovados.

A Irlanda apresentou a candidatura a uma contribuição financeira do FEG,

na sequência do despedimento de 171 trabalhadores da empresa fabricante de jóias Andersen Ireland Limited. que operava na divisão 32 da NACE Rev. 2, que estão relacionados com importantes mudanças estruturais nos padrões do comércio mundial devido à globalização, uma vez que, em quatro anos (de 2008 a 2012), as importações, 95 % das quais provenientes da Ásia, passaram a ser quatro vezes superiores à produção da UE

Nesta mobilização do FEG afavor da Grécia foram concedidos 1.5 milhões €.Votei favoravelmente

activities/CRE/8/16/term deleted 8
activities/CRE/8/16/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito. - O FEG foi criado para fornecer suporte adicionalpara trabalhadores despedidos nasequência de importantes mudanças estruturais nos padrões do comércio mundial devido à globalização ou crise financeira e ajudá-los a encontrar novos empregos. Entre 2014e2020,o limite máximo anual do fundo é de €150milhões. Aos trabalhadores despedidos sãooferecidos medidas tais como suporte para a criação de empresas, assistência na procura de emprego, orientação profissional e vários tipos de formação. Na maioria dos casos, as autoridades nacionais já começaram a tomar medidas em obter seus custosreembolsados pela UE,quando seus pedidossão aprovados.

A Grécia apresentou a candidatura a uma contribuição financeira do FEG,

na sequência do despedimento de 761 trabalhadores da empresa Sprider Stores S.A., uma empresa com atividades no setor económico classificado na divisão 47 da NACE Rev, motivadas pela crise financeira e económica global.

Nesta mobilização do FEG afavor da Grécia foram concedidos 7.29 milhões €.Votei favoravelmente

activities/CRE/8/17/term deleted 8
activities/CRE/8/17/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito. - Os progressos democráticas que a República da Moldávia tem vindo a obter nos últimos anos têm-se traduzido em progressos significativos nas reformas e no reforço das relações com a União Europeia, merecendo destaque os avanços em termos de direitos humanos, numa justiça mais independente e numa reforma das forças de segurança. Um trabalho que ainda está no seu início que requer o total empenho do governo moldavo e que um maior aprofundamento.

A Moldávia, segundo os seus representantes, pode vir a manifestar intenção na adesão à União Europeia, sendo que o Acordo de Associação e a respectiva ZCLAA são contributos importantes para tornar a Moldávia mais independente e ultrapassar as restrições comerciais impostas pela Rússia a determinados produtos. A ZCLAA permitirá ainda reforçar o acesso da Moldávia ao mercado da UE, criando novas oportunidades de desenvolvimento e de crescimento beneficiando directamente as empresas e os cidadãos moldavos.

activities/CRE/8/18/term deleted 8
activities/CRE/8/18/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito. - O processo de Paz na Irlanda do Norte sempre foi visto com um exemplo poderoso e positivo de resolução de conflitos porque baseado em parcerias e em princípios de igualdade de tratamento. No entanto, é um processo que requer esforços continuados e qualquer perturbação pode originar estagnação ou retrocesso no processo, como parece estar a acontecer neste caso.

Por isso, é importante que a União Europeia incentive ainda mais a reconciliação e o melhoramento das relações entre as comunidades irlandeses, sendo o Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional da União Europeia, que dotou o Programa Peace com 150 milhões de euros um instrumento crucial para que os acordos estabelecidos possam ser implementados no terreno beneficiando tanto a Irlanda do Norte como a região fronteiriça da Irlanda.

activities/CRE/8/19/term deleted 8
activities/CRE/8/19/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito. - A Turquia continua a contestar a existência da República do Chipre e a respetiva legitimidade de sondar e explorar os recursos naturais na sua ZEE contra todas as resoluções não só europeias como das próprias Nações Unidas. No caso em apreço, a Turquia coloca em causa o trabalho de uma empresa europeia e viola de forma flagrante o direito internacional.

É fundamental, por isso, que a Turquia aja em conformidade com o Direito internacional, respeite e aplique a declaração da Comunidade Europeia e dos seus Estados-Membros. Qualquer descoberta de reservas de hidrocarbonetos, motivo da tensão actual, deverá beneficiar toda a região, contribuindo para uma melhor qualidade de vida das populações abrangidas por toda a área.

activities/CRE/8/20/term deleted 8
activities/CRE/8/20/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito. - A situação no Sudão do Sul, estado mais novo e mais frágil do Mundo, é crítica. Mais de 10 mil pessoas morreram durante os meses de combates e actos brutais de crueldade e de violência étnica foram perpetrados. A crise humanitária é visível com o êxodo em larga escola da população constituindo de preocupação a sua extensão a uma área mais vasta e já de si propensa à instabilidade. O aumento da pobreza extrema, as alterações climáticas, a repartição desigual da riqueza e a exploração dos recursos só contribuem ainda mais para o agravar da situação. O país tem o pior tipo de crise humanitária, acentuado pela vaga de violência sexual e pelo alegado recrutamento de crianças-soldado, com mais de 3,5, milhões de pessoas receberem assistência humanitária e com 2,5 milhões a permanecerem em situação de crise ou de emergência em termos de segurança.

A UE tem tido um importante contributo na resposta a esta crise humanitária com mais de 38% de todas as contribuições internacionais, aumentando, inclusive a ajuda para mais de 130 milhões de euros em 2014. Torna-se fundamental que continue a ser prestada ajuda humanitária e alimentar às pessoas mais vulneráveis e que todas as partes envolvidas no conflito reconheçam e respeitem o trabalho humanitário no terreno.

activities/CRE/8/21/term deleted 8
activities/CRE/8/21/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ). - Penso que hoje ficou bem claro que não há fraude, não há ilegalidade no Luxemburgo como noutros Estados-Membros, não há evasão fiscal, mas está claro que há um planeamento fiscal agressivo, há elisão fiscal e na matéria fiscal, cada Estado-Membro procura o máximo das receitas. Não haver ilegalidade não significa que não se deva procurar a ética, os valores, a equidade, que são fundamentais e, por isso, é preciso mais integração, mais regras comuns, mais harmonização fiscal.

Fica bem claro que o "orgulhosamente sós" não funciona em muitas matérias e na matéria fiscal, seguramente, também não é uma boa solução, mas não se queiram aproveitar desta situação para nivelarem por cima os impostos, para os aumentarem, pelo contrário, o combate à elisão fiscal, que é o que acontece neste caso, mas também há fraude e há evasão fiscal, são essenciais para aumentarmos as receitas e neste caso, neste sentido, para diminuirmos os impostos e, nomeadamente, os impostos sobre as pequenas e médias empresas.

Quero também lamentar o empolamento desta discussão em que às vezes tenho o sentimento de que se procura votar de novo a Comissão Europeia. O que temos neste momento é de chegar a uma plataforma de entendimento, sabendo-se que o grande problema nem está no Parlamento, está na necessária unanimidade no Conselho para alteração das regras fiscais.

(el orador aceita responder a uma pergunta formulada ao abrigo do procedimento "cartão azul" (artigo 149.º, n.º 8, do Regimento))

activities/CRE/8/22/term deleted 8
activities/CRE/8/22/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), Resposta segundo o procedimento "cartão azul" . – A minha colega Ana Gomes traz muitas vezes as questões nacionais para este debate. Tal como não há Estados-Membros virtuosos, também considero que não haverá governos virtuosos e totalmente virtuosos nesta matéria e o governo do Eng.º Sócrates e o governo que tinha como vice-presidente António Costa, na questão da evasão fiscal, não nos pode, de nenhuma forma, orgulhar e fique a Sr.ª Deputada a saber que, nos últimos anos, as receitas fiscais em Portugal têm aumentado precisamente pelo combate à evasão fiscal que se tem verificado, ainda que muitas vezes a própria Troica desconfiasse dessa possibilidade e, desse ponto de vista, o exemplo de governo português pode ser aqui trazido até para partilhar as melhores práticas neste domínio.

activities/CRE/8/23/term deleted 8
activities/CRE/8/23/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito . - A União Europeia tem vindo a participar num processo de paz global para a Ucrânia, do qual faz parte a vertente comercial e, mais concretamente, a redução ou eliminação de direitos aduaneiros sobre as mercadorias originárias daquele país. A prorrogação das medidas comerciais autónomas continua a ser uma das medidas mais eficazes como comprovam as estatísticas: na primeira metade de 2014, aumentaram significativamente as exportações da Ucrânia para a UE, tendo-se verificado uma redução das exportações da Ucrânia para a Rússia, devido às restrições comerciais sobre os bens provenientes da Ucrânia que pretendam aceder ao mercado russo, bem como à sua imprevisibilidade. O aumento situa-se na casa dos 587 milhões de euros, o que, associado a outros fatores, comprova que as MCA figuram, sem dúvida, entre as possibilidades de que os produtores e as empresas da Ucrânia dispõem para procurarem novos mercados e reduzirem as consequências negativas das medidas comerciais russas de retaliação contra a Ucrânia. As MCA funcionam, ainda, como um incentivo para adaptarem o seu modo de funcionamento e as suas normas à UE.

activities/CRE/8/24/term deleted 8
activities/CRE/8/24/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito . - A evolução e correção de procedimentos e normas de funcionamento e gestão de recursos verificadas no Organismo de Reguladores Europeus das Comunicações Eletrónicas vêm demonstrar a pertinência e importância do controlo democrático das instituições e do bom relacionamento interinstitucional, enquanto fatores de credibilidade e valorização do serviço público a prestar a todos os cidadãos da União Europeia. As práticas de boa gestão e eficiência administrativa são perfeitamente enquadráveis e até estimuladas pelo respeito e cumprimento integral da legislação e das normas regulamentares.

activities/CRE/8/25/term deleted 8
activities/CRE/8/25/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito . - Em nome da transparência e do rigor na gestão da coisa pública, votei a favor do presente relatório, reforçando a posição do Parlamento em defesa da legalidade, dos Tratados e dos direitos dos cidadãos europeus. Todas as instituições da União devem assegurar procedimentos e normativas que garantam a transparência e a boa gestão no seu funcionamento, disponibilizando-se para assumirem a sua plena responsabilidade perante os cidadãos europeus, designadamente no que toca aos fundos que lhes são confiados e lhes cabe utilizar e gerir. Nesse quadro, é importante que se dê a devida atenção às recomendações do Tribunal de Contas no sentido de os gestores orçamentais do Conselho Europeu e do Conselho melhorarem a conceção, a coordenação e a realização dos procedimentos de adjudicação através de controlos adequados e de uma melhor orientação. Destaco ainda a importância em esclarecer e resolver diversas questões pendentes, como acontece relativamente ao edifício Europa e ao projeto Résidence Palace . A prestação e o esclarecimento cabal de contas públicas não podem ser tratados como atos de ingerência ou disputa de supremacia institucional, mas sim como respeito pela democracia, pela legislação e pela transparência.

activities/CRE/8/26/term deleted 8
activities/CRE/8/26/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito. - Nos 28 Estados-Membros da UE, cerca de 42 200 pessoas trabalham diretamente no setor do transporte por vias navegáveis interiores, sendo 31000 trabalhadores móveis (73%). Aproximadamente 9 650 empresas operam no setor dos transportes por vias navegáveis interiores.

A presente proposta estabelece requisitos para os trabalhadores móveis do setor do transporte por vias navegáveis interiores. O acordo celebrado pelos parceiros sociais do setor do transporte por vias navegáveis interiores tem em conta a Diretiva Tempo de Trabalho e propõe vários requisitos específicos, em sintonia com as características próprias do setor, em especial no que respeita ao período de referência. Além disso, prevê um numero mínimo de horas de descanso diário e semanal e um numero máximo de horas de trabalho noturno, de forma a atender às condições de trabalho e às características específicas do setor. O acordo é válido tanto para o pessoal de navegação (tripulação) como para o pessoal de bordo, abrange o transporte de passageiros e de mercadorias e contém disposições específicas relativamente ao trabalho sazonal em navios de passageiros. Não se aplica a pessoas que operam navios por sua própria conta (proprietários-operadores).

Votei favoravelmente.

activities/CRE/8/27/term deleted 8
activities/CRE/8/27/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito . - É urgente, e de importância extrema para a credibilidade da União Europeia, assegurar a correção de desequilíbrios orçamentais, por insuficiência de dotação para concretizar pagamentos de compromissos assumidos. São desequilíbrios provocados pela reiterada postura do Conselho em aumentar os cortes nos orçamentos, sobretudo ao nível das dotações para pagamentos. A posição do Conselho, neste e nos outros orçamentos retificativos, servirá para demonstrar se está ou não de boa-fé neste processo, se é fiável e assume a sua lealdade institucional. Estes orçamentos retificativos destinam-se a pagar investimentos, programas, projetos já realizados e devidamente autorizados, muitas vezes pelo próprio Conselho, a favor das PME, dos jovens, dos cientistas, das autoridades locais, das ONG. É inaceitável que se recuse – e nomeadamente o Conselho – a pagar o que solicitou e autorizou. Sublinhe-se ainda que o Conselho tem assinado, anualmente, no âmbito da conciliação com o Parlamento, declarações onde assume que aprova orçamentos retificativos necessários para os pagamentos que se vierem a confirmar. Os compromissos são para cumprir e eu tenho a esperança que os compromissos entre as instituições e com os cidadãos serão respeitados.

activities/CRE/8/28/term deleted 8
activities/CRE/8/28/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito. - A União Europeia tem obrigatoriamente de dispor de um orçamento credível, solidário e que contribua para o crescimento e o emprego. Os Tratados, os regulamentos financeiros, a estratégia da União Europeia 2020 e o quadro financeiro plurianual 2014-2020 têm de ser respeitados. É um compromisso entre as instituições, mas é também um compromisso com os cidadãos. A estratégia Europa 2020, que guia o quadro financeiro plurianual, deve ver os seus objetivos atingidos mas, para isso, impõe-se que asseguremos os meios necessários para que esses mesmos objetivos sejam atingidos. Os meios têm de estar à altura da ambição.

Por isso, para o orçamento da EU para 2015, os cortes propostos pelo Conselho em mais de 500 milhões nas autorizações e 2 100 milhões nos pagamentos são inaceitáveis. Defendo o reforço dos programas a favor das PME, da juventude, da investigação e inovação, assim como do programa de apoio aos mais desfavorecidos. A solidariedade externa é outra preocupação, que sustenta os aumentos que o Parlamento propõe para a ajuda humanitária, no apoio aos refugiados e na política de vizinhança.

Exige-se que o quadro financeiro plurianual, os seus programas, fundos e prioridades entrem rapidamente em execução.

activities/CRE/8/29/term deleted 8
activities/CRE/8/29/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito . - A União Europeia tem obrigatoriamente de dispor de um orçamento credível, solidário e que contribua para o crescimento e o emprego. Os Tratados, os regulamentos financeiros, a estratégia da União Europeia 2020 e o quadro financeiro plurianual 2014-2020 têm de ser respeitados. É um compromisso entre as instituições, mas é também um compromisso com os cidadãos. A estratégia Europa 2020, que guia o quadro financeiro plurianual, deve ver os seus objetivos atingidos mas, para isso, impõe-se que asseguremos os meios necessários para que esses mesmos objetivos sejam atingidos. Os meios têm de estar à altura da ambição. Por isso, para o Orçamento da EU para 2015, os cortes propostos pelo Conselho em mais de 500 milhões nas autorizações e 2 100 milhões nos pagamentos são inaceitáveis. Defendo o reforço dos programas a favor das PME, da juventude, da investigação e inovação, assim como do programa de apoio aos mais desfavorecidos. A solidariedade externa é outra preocupação, que sustenta os aumentos que o Parlamento propõe para a ajuda humanitária no apoio aos refugiados e na Política de Vizinhança. Exige-se que o quadro financeiro plurianual, os seus programas, fundos e prioridades entrem rapidamente em execução.

activities/CRE/8/30/term deleted 8
activities/CRE/8/30/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito . - A assinatura do Protocolo Adicional do Acordo de Comércio Livre assinado por todos os Estados-Membros e pela República da Coreia estabeleceu um conjunto de princípios importantes para o desenvolvimento económico sustentado da União Europeia, abrindo ainda mais um canal para a distribuição dos seus produtos. Sendo a República da Croácia um Estado-Membro de pleno direito desde julho de 2013 e estando já abrangida, ainda que a título provisório, por este protocolo, faz sentido que continue a participar plenamente neste Acordo de Comércio Livre, que continua ainda em vigor.

activities/CRE/8/31/term deleted 8
activities/CRE/8/31/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito . - Neste mundo global, a UE tem de ser competitiva, defender os seus valores e o estado social, assegurando as condições necessárias para que todos os recursos sejam capazes de promover um crescimento sustentável, a criação de emprego e a coesão territorial. O ambiente económico na Europa caracteriza-se ainda por um PIB inerte (aumentou 0,2 % na UE28 no segundo trimestre de 2014), inflação notoriamente baixa (redução de 0,3 % em agosto de 2014) e taxa de desemprego ainda excessivamente elevada (11,5 % na zona do euro e 10,2 % na UE28 em julho de 2014). A recuperação económica na UE mostrou sinais animadores nos dois últimos anos, mas ainda a um nível frágil e desigual, pelo que se impõe, urgentemente, uma iniciativa ambiciosa para estimular o investimento em toda a UE, a fim de relançar e de apoiar a dinamização económica. São os casos da esperada conclusão da União Bancária e reformas urgentes para todos os Estados-Membros, onde as dificuldades para a criação de empresas constituem um entrave, assim como avançar com um programa de investimento europeu num montante de 300 mil milhões de euros, tal como proposto por Jean-Claude Juncker, a fim de contribuir para a recuperarão a curto prazo do crescimento europeu.

activities/CRE/8/32/term deleted 8
activities/CRE/8/32/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito . - O FEG foi criado para fornecer suporte adicional aos trabalhadores despedidos na sequência de importantes mudanças estruturais nos padrões do comércio mundial devido à globalização ou crise financeira e ajudá-los a encontrar novos empregos. Entre 2014 e 2020, o limite máximo anual do fundo é de 150 milhões de euros. Aos trabalhadores despedidos são oferecidos medidas tais como suporte para a criação de empresas, assistência na procura de emprego, orientação profissional e vários tipos de formação. A Espanha apresentou a candidatura ao FEG, na sequência de 633 despedimentos ocorridos em 142 empresas do setor da fabricação de produtos metálicos, durante o período de referência de 1 de abril de 2013 a 31 de dezembro de 2013, e que estão relacionados com a crise financeira e económica mundial que resultou numa procura mais reduzida de metal e de produtos metálicos e a uma menor produção dos mesmos baixando 23,3%, em 2009, em comparação com o ano anterior, e 36,6% entre 2008 e 2013.O volume de negócios diminuiu 38,5 %, durante o período entre 2008 e 2012, e os despedimentos representam 43 % do total de emprego no setor metalúrgico. Nesta mobilização do FEG a favor da região espanhola de Comunidad Valenciana, foram concedidos 1.019 milhões de euros. Votei favoravelmente.

activities/CRE/8/33/term deleted 8
activities/CRE/8/33/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito . - O FEG foi criado para fornecer suporte adicional aos trabalhadores despedidos na sequência de importantes mudanças estruturais nos padrões do comércio mundial devido à globalização ou crise financeira e ajudá-los a encontrar novos empregos. Entre 2014 e 2020, o limite máximo anual do fundo é de 150 milhões de euros. Aos trabalhadores despedidos são oferecidos medidas tais como suporte para a criação de empresas, assistência na procura de emprego, orientação profissional e vários tipos de formação. A Bélgica apresentou a candidatura ao FEG, na sequência do despedimento de 512 despedimentos na Ford leste-Bélgica situada em Genk e em dez empresas suas fornecedoras, na Bélgica, durante o período de referência de 1 de julho de 2013 a 1 de novembro de 2013. Os despedimentos na instalação de montagem da Ford-Werke GmbH e em dez empresas fornecedoras da Ford Genk estão relacionados com mudanças estruturais importantes nos padrões do comércio mundial devido à globalização, com um declínio acelerado da quota de mercado da UE no setor da produção de automóveis de passageiros a nível mundial e um declínio progressivo das vendas de automóveis novos na União. Nesta mobilização do FEG a favor da Genk na Bélgica, foram concedidos 911.934 euros. Votei favoravelmente.

activities/CRE/8/34/term deleted 8
activities/CRE/8/34/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito . - O FEG foi criado para fornecer suporte adicional aos trabalhadores despedidos na sequência de importantes mudanças estruturais nos padrões do comércio mundial devido à globalização ou crise financeira e ajudá-los a encontrar novos empregos. Entre 2014 e 2020, o limite máximo anual do fundo é de 150 milhões euros. Aos trabalhadores despedidos são oferecidos medidas tais como suporte para a criação de empresas, assistência na procura de emprego, orientação profissional e vários tipos de formação. A Bélgica apresentou a candidatura EGF/2013/02 BE/Carsid na sequência de 939 despedimentos, prevendo-se que 752 pessoas venham a participar nas medidas, no contexto do encerramento da unidade de produção da empresa Carsid SA, situada em Marcinelle, nas proximidades de Charleroi, durante o período de referência de 28.09.2012 a 28.01.2013. Os despedimentos na unidade de produção da empresa Carsid SA estão relacionados com as importantes mudanças estruturais nos padrões do comércio mundial decorrentes da globalização, com o declínio acelerado da quota de mercado da União no setor da produção de aço bruto em vazamento contínuo a nível mundial e com uma diminuição significativa da produção de aço bruto em vazamento na União devido a uma descida na procura de produtos siderúrgicos nos setores automóvel e da construção. Nesta mobilização do FEG foram concedidos 911 934 euros . Votei favoravelmente.

activities/CRE/8/35/term deleted 8
activities/CRE/8/35/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito . - O FEG foi criado para fornecer suporte adicional aos trabalhadores despedidos na sequência de importantes mudanças estruturais nos padrões do comércio mundial devido à globalização ou crise financeira e ajudá-los a encontrar novos empregos. Entre 2014 e 2020,o limite máximo anual do fundo é de 150 milhões de euros. Aos trabalhadores despedidos são oferecidos medidas tais como suporte para a criação de empresas, assistência na procura de emprego, orientação profissional e vários tipos de formação. A França apresentou esta candidatura na sequência de 6 120 despedimentos na Peugeot Citroën Automobiles , essencialmente nas regiões da Ilha de França (fábrica de Aulnay) e da Bretanha (fábrica de Rennes), durante o período de referência de 1.10.2013 a 31.01.2014. Os despedimentos na PSA estão relacionados com importantes mudanças estruturais nos padrões do comércio mundial devido à globalização e remetem para a observação formulada pela França (L'industrie Automobile Française, Analyse et statistiques 2013) segundo a qual, entre 2000 e 2012, a produção mundial de veículos aumentou 44 % enquanto, no mesmo período, na Europa Ocidental, caiu 25 % e, simultaneamente, em países terceiros, registou um aumento significativo, representando atualmente 47 % da produção mundial de veículos. Nesta mobilização do FEG a favor da região da Bretanha e da Ilha de França, foram concedidos 12 704 605 euros. Votei favoravelmente.

activities/CRE/8/36/term deleted 8
activities/CRE/8/36/text deleted

  José Manuel Fernandes, em nome do Grupo PPE . – Sra. Presidente, Sr. Comissário, Sr. Representante do Conselho, Caras e Caros Colegas, gostava de ter visto firmeza, clareza, compromisso por parte do Conselho. Tenho ainda a esperança que venhamos a ter essa clareza e esse compromisso. Quero saudar o Sr. Comissário e dar-lhe os parabéns pelo trabalho que ele tem realizado no sentido de devolver credibilidade às instituições da União Europeia.

A posição do Conselho neste e nos outros orçamentos retificativos vai demonstrar se está de boa ou de má-fé, se podemos confiar ou não no Conselho, se há lealdade institucional ou não por parte do Conselho, se é fiável e se lhe podemos dar credibilidade, que esperamos vir a poder dar-lhe.

Orçamentos retificativos - estes orçamentos são para pagar investimentos, programas, projetos já realizados e devidamente autorizados, a favor das PME, dos jovens, dos cientistas, das autoridades locais, das ONG.

O Conselho autorizou estes investimentos e programas, muitas vezes foi ele que os pediu. E agora vai uma pergunta: como é que podemos aceitar que o Conselho não queira pagar aquilo que pediu e aquilo que autorizou?

Sublinhe-se que o Conselho tem assinado, anualmente, declarações formais aquando da conciliação, e o Parlamento tem confiado nelas, e declarações onde assume que aprova orçamentos retificativos necessários para os pagamentos que se vierem a confirmar. Como é que nós podemos aceitar que o Conselho não cumpra as declarações que assina?

Bem, pacta sunt servanda , os compromissos são para cumprir e eu tenho a esperança que o compromisso entre as instituições e com os cidadãos, que nós assumimos, nomeadamente no quadro financeiro plurianual, seja para respeitar, porque nós precisamos de crescimento, precisamos de emprego. Tenho essa esperança e gostava de a confirmar por parte do Conselho e do representante que aqui temos. Muito obrigado.

activities/CRE/8/37/term deleted 8
activities/CRE/8/37/text deleted

  José Manuel Fernandes, em nome do Grupo PPE . – O Partido Popular defende um orçamento credível, solidário e que contribua para o crescimento e o emprego. Neste sentido, os cortes do Conselho em mais de 500 milhões nas autorizações e 2 100 milhões nos pagamentos são inaceitáveis. Também por isso reforçamos os programas a favor das PME, da juventude, da investigação e inovação, assim como o programa de apoio aos mais desfavorecidos. A solidariedade externa é outra preocupação, como provam os aumentos que propomos na ajuda humanitária, no apoio aos refugiados e na política de vizinhança.

Os tratados, os regulamentos financeiros, a estratégia da União Europeia 2020, o quadro financeiro plurianual 2014-2020 têm de ser respeitados. É um compromisso entre as instituições mas é também um compromisso com os cidadãos e esta estratégia Europa 2020 que guia o quadro financeiro plurianual deve ver os seus objetivos atingidos, deve ver também e ter os meios necessários para que esses mesmos objetivos sejam atingidos. Na verdade, os meios têm de estar à altura da ambição. Exige-se que o quadro financeiro plurianual, os seus programas, fundos e prioridades, entrem rapidamente em execução.

Falar do orçamento da União Europeia é falar de um orçamento que corresponde a cerca de 1% do rendimento nacional bruto, mas um orçamento que é, sobretudo, um orçamento de investimento (94% é para investimento). Tem apenas 6% de despesas para a administração e para o funcionamento das instituições, desmentindo, assim, os populistas que criticam sempre a administração das nossas instituições. E é também um orçamento que tem um elevado valor acrescentado e que, por isso, deve ser utilizado para o crescimento, para o emprego.

Espero que o Conselho não insista em reduzir o orçamento, cumpra os objetivos e ajude ao crescimento e ao emprego.

activities/CRE/8/38/term deleted 8
activities/CRE/8/38/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito. - A Ucrânia está a passar por uma fase difícil na sua história democrática, com o recente conflito com a Rússia a provocar já a morte de 3000 pessoas, milhares de feridos e centenas de milhares de civis que fugiram das áreas de conflito. O protocolo assinado de cessar-fogo, preconizado pelo Grupo de Contacto Trilateral, prevê a libertação de reféns, medidas para melhorar a situação humanitária, a retirada de todos os grupos armados ilegais, equipamento militar e mercenários da Ucrânia e medidas sobre a descentralização nas regiões de Donetsk e Luhansk, dados que esta proposta de resolução vem reforçar.

Com esta proposta de resolução, o Parlamento Europeu reforça a necessidade de as partes abrirem caminho para o início de um verdadeiro processo de paz que passa pela retirada das tropas russas, dos grupos armados ilegais, do material bélicos e dos mercenários. As eleições antecipadas marcadas para o dia 26 de outubro de 2014 na Ucrânia devem ser livres e justas, devendo o governo fazer tudo o que estiver ao seu alcance para que sejam transparentes ajudando no trabalho dos observadores internacionais.

activities/CRE/8/39/term deleted 8
activities/CRE/8/39/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito. - O ébola é um dos mais sérios casos de saúde pública a nível mundial tendo, inclusive, levado à proclamação pela OMS de emergência de saúde pública à escala internacional . A doença detetada pela primeira vez na Guiné já se estendeu a mais quatro países, provocou 2000 mortes e afetou quase 4000 pessoas. A OMS calcula que o número de doentes poderá ultrapassar os 20000 nos próximos três meses, numa região onde vivem 4,5 milhões de crianças com menos de cinco anos de idade e onde a grande percentagem de infetados são mulheres.

A Comissão Europeia já disponibilizou 147 milhões de euros em ajuda humanitária e ajuda ao desenvolvimento para travar a propagação do vírus, proporcionar tratamento e equipamento essencial às pessoas infetadas e mobilizar peritos em ajuda humanitária. Esta proposta de resolução, para além de felicitar o trabalho no terreno de organizações parceira, insta a Comissão a proceder a um levantamento das necessidades e a elaborar planos adaptados a cada país, com vista a determinar e coordenar os pedidos, bem como o envio de profissionais de saúde qualificados, laboratórios móveis, equipamento de laboratório, vestuário de proteção e centros de tratamento dotados de unidades de isolamento.

activities/CRE/8/40/term deleted 8
activities/CRE/8/40/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito. - O Grupo Estado Islâmico , contra todas as regras e leis das Nações Unidas, tem tomado posse de várias regiões da Síria e do Iraque, violando os mais elementares direitos humanos e declarando a instituição de um califado nos territórios que controla, não reconhecendo as fronteiras internacionalmente aceites. As execuções seletivas, as conversões forçadas, os raptos, a venda e escravatura de mulheres e crianças, o abuso físico e sexual e a tortura; o assassinato de jornalistas e de trabalhadores humanitários e a destruição de monumentos, mesquitas, santuários e igrejas devem ser fortemente condenados.

Estas práticas têm vindo a ter repercussões diretas nas populações: 191000 pessoas perderam a vida na Síria, 6,4 milhões de pessoas deslocaram-se para outras regiões sírias e 3 milhões refugiaram-se noutros países; o número de cristãos no Iraque passou de 1,2 milhões para 350 mil e na Síria havia 1,8 milhões de cristãos que agora estão reduzidos a cerca de 500 mil. Os contínuos ataques contra alvos civis e a execução diária de pessoas merecem a total condenação e a solidariedade para com todas as famílias vítimas deste conflito.

activities/CRE/8/41/term deleted 8
activities/CRE/8/41/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito. - Os confrontos na Líbia têm-se intensificado nos últimos meses, destabilizando o país e a sua transição democrática, provocando o aumento do número de vítimas civis, de pessoas deslocadas internamente e de refugiados: 100 000 líbios saíram das suas casas e 150 000 abandonaram o país. Assiste-se, diariamente, a violações maciças dos direitos humanos, com dezenas de civis a serem raptados exclusivamente com base na sua tribo, família ou religião; com detenções arbitrárias, raptos, execuções extrajudiciais, tortura e violência contra jornalistas, funcionários, políticos e defensores dos direitos humanos.

É, por isso, importante que o contributo da União Europeia não se centre apenas na segurança fronteiriça, porque não se coaduna com as necessidades do país, nem com os desafios que tem que enfrentar. Recordo que já morreram mais de 1600 pessoas, quando tentavam chegar à Europa através da Itália e de Malta, sendo a sua grande maioria líbios. Das 109 000 pessoas que chegaram a Itália, 98 000 eram provenientes da Líbia, uma situação profundamente preocupante e que deverá levar a União Europeia a dar seguimento às prioridades identificadas no Grupo de Missão para o Mediterrâneo.

activities/CRE/8/42/term deleted 8
activities/CRE/8/42/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito. - No mais recente conflito israelo-palestiniano, foram mortos mais de 2000 palestinianos, um terço dos quais crianças, 10 000 ficaram feridos enquanto 66 soldados israelitas e seis civis perderam a vida e 500 foram feridos. Mais de 1700 casas foram destruídas, 40 000 danificadas e 17 hospitais e clínicas, 136 escolas, 60 mesquitas e 13 cemitérios foram destruídos. Bairros inteiros e infraestruturas básicas foram arrasados em Gaza.

Especialistas avaliaram em 8 mil milhões de dólares a custo da reconstrução de Gaza e o Governo palestiniano solicitou 550 milhões de dólares para ajuda alimentar e acesso a água potável, cuidados de saúde e educação. A participação da Europa na conferência de doadores internacionais é crucial, devendo essa assistência financeira beneficiar plenamente da forma mais eficaz possível o povo palestiniano e não em atividades terroristas.

A Europa deve pugnar por um acesso pleno e sem entraves à ajuda humanitária por parte da população da Faixa de Gaza e de todos os intervenientes na região, nomeadamente no que se refere aos serviços de abastecimento de eletricidade e água e às necessidades básicas das crianças.

activities/CRE/8/43/term deleted 8
activities/CRE/8/43/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito. - O pedido das Ilhas Fiji não pode ser considerado nem pode entrar em vigor, porque o país ainda não demonstrou ter as condições para o regresso da democracia, como relatam vários organismos internacionais ao referirem-se a tentativas de silenciamento de jornalistas antes das eleições previstas para Setembro , por exemplo. A isto, acresce o facto de o autoproclamado Governo das Fiji não ter legitimidade para tomar qualquer decisão sobre esta matéria.

A Comissão não deve, portanto, tomar qualquer decisão enquanto as eleições anunciadas não forem corretamente realizadas, seguindo as diretivas internacionais e, mesmo depois disso, é necessário um período transitório que permita avaliar a situação de estabilidade e de recuperação dos padrões democráticos obrigatórios em todos os países.

activities/CRE/8/44/term deleted 8
activities/CRE/8/44/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ). - Senhora Presidente, a União Europeia tem de tirar partido de todo o potencial que os jovens representam, e os jovens são uma solução, não são um problema. Reconheça-se que a União Europeia tem vários programas de apoio à juventude e consagrou, por exemplo, 6000 milhões de euros para serem utilizados este ano e no próximo para a Iniciativa Emprego Jovem.

A este propósito, a propósito da Iniciativa Emprego Jovem, questiono a Comissão: quais os montantes utilizados já este ano? Que montantes pensa utilizar no próximo ano? E pergunto ao Conselho: não vai fazer cortes como tem feito noutras iniciativas, nos pagamentos para esta iniciativa? E volto a perguntar: e depois de 2015, de 2016 até 2020, vão acabar com este programa Iniciativa Emprego Jovem ou propõem dotá-lo de dinheiro, com verbas, de financiamento para que este programa continue?

Os programas que apoiam o emprego jovem são um investimento, não são um custo. A União Europeia deve contribuir com estes programas que são mais-valias, como é o caso da Garantia Jovem. Em paralelo, é necessário criar um ambiente favorável às pequenas e médias empresas. É necessário que não se efetuem cortes em programas para o crescimento e para o emprego – cortes no Cosme, no Horizonte 2020, no Erasmus +. É necessário que esses cortes não sejam efetuados para que efetivamente o emprego e o crescimento sejam uma realidade na União Europeia.

activities/CRE/8/45/term deleted 8
activities/CRE/8/45/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito. - O Fundo Europeu de Ajustamento à Globalização foi criado para fornecer suporte adicional aos trabalhadores despedidos na sequência de importantes mudanças estruturais nos padrões do comércio mundial devido à globalização ou crise financeira e ajudá-los a encontrar novos empregos. Entre 2014 e 2020, o limite máximo anual do fundo é de 150 milhões de euros. Aos trabalhadores despedidos são oferecidas medidas tais como suporte para a criação de empresas, assistência na procura de emprego, orientação profissional e vários tipos de formação. Na maioria dos casos, as autoridades nacionais já começaram a tomar medidas para que os seus custos sejam reembolsados pela UE quando os seus pedidos são aprovados.

Esta mobilização do FEG a favor da Grécia serve para apoiar a reintegração no mercado de trabalho de trabalhadores despedidos da empresa Nutriart, seus fornecedores/produtores e cessação de atividade de 24 trabalhadores por conta própria num total de 508 pessoas e refere-se à mobilização de um montante total de 6 096 000 EUR do FEG. Votei favoravelmente.

activities/CRE/8/46/term deleted 8
activities/CRE/8/46/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito. - O Fundo Europeu de Ajustamento à Globalização foi criado para fornecer suporte adicional para trabalhadores despedidos na sequência de importantes mudanças estruturais nos padrões do comércio mundial devido à globalização ou à crise financeira e ajudá-los a encontrar novos empregos. Entre 2014 e 2020, o limite máximo anual do fundo é de 150 milhões de euros. Aos trabalhadores despedidos são oferecidas medidas tais como suporte para a criação de empresas, assistência na procura de emprego, orientação profissional e vários tipos de formação. Na maioria dos casos, as autoridades nacionais já começaram a tomar medidas para que os seus custos sejam reembolsados pela UE quando os seus pedidos são aprovados.

Esta mobilização do FEG a favor da Roménia é para apoiar a reintegração no mercado de trabalho de 1523 trabalhadores despedidos da empresa de aço Mechel Campia Turzii e fornecedores devido a uma queda acentuada de encomendas dos seus produtos, tendo os compradores dos seus produtos optado por comprar a empresas na China. Esta mobilização é de um montante total de 3 571 150 EUR do FEG. Votei favoravelmente.

activities/CRE/8/47/term deleted 8
activities/CRE/8/47/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito. - O Fundo Europeu de Ajustamento à Globalização foi criado para fornecer suporte adicional para trabalhadores despedidos na sequência de importantes mudanças estruturais nos padrões do comércio mundial devido à globalização ou à crise financeira e ajudá-los a encontrar novos empregos. Entre 2014 e 2020, o limite máximo anual do fundo é de 150 milhões de euros. Aos trabalhadores despedidos são oferecidas medidas tais como suporte para a criação de empresas, assistência na procura de emprego, orientação profissional e vários tipos de formação. Na maioria dos casos, as autoridades nacionais já começaram a tomar medidas para que os seus custos sejam reembolsados pela UE quando os seus pedidos são aprovados.

Nesta mobilização do FEG, Espanha apresentou um pedido na sequência do despedimento de 904 trabalhadores em 661 empresas do setor da restauração, tendo como fator responsável pelos despedimentos a significativa diminuição do consumo de produtos alimentares e bebidas, devido à recessão económica, ao aumento das receitas fiscais, sobretudo do IVA, e à redução dos salários. Nesta mobilização do FEG a favor de Espanha, foram concedidos 960 mil euros para ajuda na reintegração no mercado de trabalho de trabalhadores que perderam o emprego na região de Aragão. Votei favoravelmente.

activities/CRE/8/48/term deleted 8
activities/CRE/8/48/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito. - O FEG foi criado para fornecer suporte adicional para trabalhadores despedidos na sequência de importantes mudanças estruturais nos padrões do comércio mundial devido à globalização ou à crise financeira e ajudá-los a encontrar novos empregos. Entre 2014 e 2020, o limite máximo anual do fundo é de 150 milhões de euros. Aos trabalhadores despedidos são oferecidas medidas tais como suporte para a criação de empresas, assistência na procura de emprego, orientação profissional e vários tipos de formação. Na maioria dos casos, as autoridades nacionais já começaram a tomar medidas para que os seus custos sejam reembolsados pela UE quando seus pedidos são aprovados.

Os Países Baixos apresentaram a candidatura a uma contribuição financeira do FEG, na sequência de despedimentos em 89 empresas que operam na Construção de edifícios nas regiões contíguas de Gelderland e Overijssel, com 475 trabalhadores visados e estão relacionados com a crise financeira e económica mundial, salientando o facto de a política dos bancos, que consiste em aplicar regras mais rigorosas à concessão de empréstimos hipotecários e créditos, ter reduzido significativamente a concessão destes, enquanto as medidas de austeridade do governo para reduzir a dívida pública e o défice orçamental se traduziram numa diminuição da despesa pública e numa acentuada descida dos preços e dos valores no mercado da habitação, o que torna difícil a compra e venda de casas. Nesta mobilização do FEG a favor dos Países Baixos foram concedidos 1625781 euros. Votei favoravelmente

activities/CRE/8/49/term deleted 8
activities/CRE/8/49/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito. - O FEG foi criado para fornecer suporte adicional aos trabalhadores despedidos na sequência de importantes mudanças estruturais nos padrões do comércio mundial devido à globalização ou à crise financeira e ajudá-los a encontrar novos empregos. Entre 2014 e 2020, o limite máximo anual do fundo é de 150 milhões de euros. Aos trabalhadores despedidos são oferecidas medidas tais como suporte para a criação de empresas, assistência na procura de emprego, orientação profissional e vários tipos de formação. Na maioria dos casos, as autoridades nacionais já começaram a tomar medidas para que os seus custos sejam reembolsados pela UE quando seus pedidos são aprovados.

A Espanha apresentou a candidatura ao FEG, na sequência do despedimento de 587 trabalhadores em três empresas da indústria da madeira e da cortiça e das suas obras da região de Castela e Leão, em Espanha, durante o período de referência de 28 de dezembro de 2012 a 28 de setembro de 2013, relacionados com importantes mudanças na estrutura do comércio mundial que resultam da globalização, referindo-se ao facto de o volume das exportações de obras de marcenaria e de carpintaria para construção a partir da UE-27 ter diminuído 10,33 % no período 2008-2011. Nesta mobilização do FEG a favor da região de Castela e Leão, em Espanha, foram concedidos 700000 euros. Votei favoravelmente.

activities/CRE/8/50/term deleted 8
activities/CRE/8/50/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito. - Os cidadãos ucranianos têm pago um preço bem alto pelas suas ambições europeias. Sofreram um número histórico de mortes, viram o seu território ocupado e a sua economia está devastada. No entanto, mostram-se sempre comprometidos com os valores europeus, lutando até ao fim para os defender.

A Ucrânia é um estado vizinho da União Europeia com quem estabelecemos relações importantes para a nossa economia. A União Europeia deve reagir às pressões externas para assegurar não só a sua integridade territorial, mas também a dos estados vizinhos com quem colabora. O acordo UE-Ucrânia é mais um passo para proteção dos interesses europeus. Pelas razões expostas, votei a favor.

Espero que este acordo ajude a promover a paz e a criar condições propícias a relações económicas e comerciais mais estreitas que conduzam a uma integração gradual da Ucrânia no mercado interno da UE.

activities/CRE/8/51/term deleted 8
activities/CRE/8/51/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), por escrito. - Os cidadãos ucranianos têm pago um preço bem alto pelas suas ambições europeias. Sofreram um número histórico de mortes, viram o seu território ocupado e a sua economia está devastada. No entanto mostram-se sempre comprometidos com os valores europeus, lutando até ao fim para os defender.

A Ucrânia é um estado vizinho da União Europeia com quem estabelecemos relações importantes para a nossa economia. A União Europeia deve reagir às pressões externas para assegurar não só a sua integridade territorial, mas também a dos Estados vizinhos com quem colabora. O acordo UE-Ucrânia é mais um passo para a proteção dos interesses europeus. Pelas razões expostas, votei a favor.

Espero que este acordo ajude a promover a paz e a criar condições propícias a relações económicas e comerciais mais estreitas, que conduzam a uma integração gradual da Ucrânia no mercado interno da UE.

activities/CRE/8/52/term deleted 8
activities/CRE/8/52/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), Pergunta segundo o procedimento "cartão azul" . – O colega Carlos Zorrinho quis trazer para aqui a política nacional. Esquece-se que estamos no Parlamento Europeu, mas eu vou aproveitar a deixa que ele aqui nos trouxe e pergunto-lhe se ele sabe que foi no tempo do governo do Partido Socialista - de que ele fazia parte como Secretário de Estado da Inovação - que houve a menor execução do Horizonte 2020 e que, depois como o governo atual, a execução do Horizonte 2020 passou a melhorar, passou a crescer e a ter grandes taxas de execução.

activities/CRE/8/53/term deleted 8
activities/CRE/8/53/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ). - Senhora Presidente, Senhor Comissário, Senhor Representante do Conselho, caros Colegas, a investigação e a inovação são prioridades da União Europeia que todos consideramos cruciais para que os objetivos do crescimento e do desemprego sejam atingidos.

O Conselho também ele tem enfatizado esta prioridade que, aliás, é um compromisso estabelecido no Quadro Financeiro Plurianual 2014-2020. No entanto, no orçamento de 2015 o Conselho pretende cortar 1 335 milhões de euros para os pagamentos destinados à rubrica 1A, precisamente aquela que contém os principais instrumentos do crescimento e do emprego. Só os cortes aplicados ao Horizonte 2020 representam mais do que 41% do total de cortes adotados pelo Conselho para esta rubrica. Tal implicaria uma diminuição para o Horizonte 2020 o que violaria o Quadro Financeiro Plurianual aprovado.

O Conselho, mais uma vez, declara uma coisa e faz outra. Afirma que pretende reforçar o investimento no crescimento e no emprego mas não cumpre os acordos, o regulamento do Quadro Financeiro Plurianual nem assume os montantes suficientes e os montantes com os quais se comprometeu.

Também não nos esqueçamos que a investigação, a inovação e o crescimento inteligente também estão presentes nos fundos da política de coesão - e nomeadamente no FEDER e no Fundo Social Europeu - e estes têm sido ainda mais duramente atingidos com cortes que impossibilitam o pagamento de despesas já realizadas e o que estamos a falar é de despesas já realizadas. Nos pagamentos não estamos a falar de dinheiro extra, não estamos a pedir mais dinheiro, o que estamos a pedir é que o Conselho pague aquilo que deve. O Conselho tem que ser credível, cumprir a lei, executar os programas que constam do Quadro Financeiro 2014-2020. Deve ser no fundo uma instituição exemplar.

activities/CRE/8/54/term deleted 8
activities/CRE/8/54/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ). - Senhora Presidente, Senhor Comissário, a União Europeia não pode desperdiçar a energia, a criatividade, as competências dos jovens. São um ativo essencial para o crescimento e a coesão social e territorial. Os jovens são uma solução e não um problema. Assim, os números de desempregados dos jovens não são aceitáveis. São ainda mais preocupantes nas regiões mais pobres e nos territórios de baixa densidade.

A União Europeia, através da iniciativa Emprego Jovem, possibilita a utilização de 6000 milhões de euros para 2014 e 2015. Fica aqui uma pergunta ao Sr. Comissário: E depois, e de 2016 a 2020, qual é a proposta que tem? A União Europeia tem ainda programas como O teu primeiro emprego EURES , programas dentro do Erasmus +, tem os fundos da política de coesão, nomeadamente o Fundo Social Europeu, que deve ser utilizado para a criação de emprego. Mas exige-se uma utilização eficiente e rápida destes fundos e destes programas.

Neste momento, assistimos ainda a um paradoxo: temos desemprego, mas também temos ofertas de emprego por preencher. Reforçando a sua importância estratégica na investigação e permanente desenvolvimento do conhecimento, a formação dada, nomeadamente a partir do Fundo Social Europeu, não pode dissociar-se da realidade nem das dinâmicas do mercado. Tal será útil para os jovens e para as empresas.

No domínio da criação de emprego, destaco ainda as pequenas e médias empresas e a atenção que devem ter e o ambiente favorável que lhes devemos dar. Temos fundos, temos programas, temos instrumentos, mas temos de reduzir a burocracia, porque só dessa forma conseguiremos fomentar o empreendedorismo e a capacidade de iniciativa empresarial dos jovens.

(O orador aceita responder a uma pergunta segundo o procedimento "cartão azul", nos termos do artigo 162.º, n.º 8, do Regimento)

activities/CRE/8/55/term deleted 8
activities/CRE/8/55/text deleted

  José Manuel Fernandes (PPE ), Resposta segundo o procedimento "cartão azul" . – Eu devo-me ter explicado mal porque eu disse que nós temos bastantes programas, bastantes recursos. Falei na iniciativa Emprego Jovem, que tem 6000 milhões de euros. O que também disse é que não bastam só os fundos e os programas. Eles têm de ser executados rapidamente, mas depois cada um tem que fazer o seu trabalho de casa. Depois cada Estado-Membro, também ele, tem de reduzir a burocracia, tem de reduzir os obstáculos ao crescimento e ao emprego. Nós temos fundos, temos programas, temos depois de reduzir também todos os entraves ao crescimento.

activities/CRE/8/56/term deleted 8
activities/CRE/8/56/text deleted

  José Manuel Fernandes, em nome do Grupo PPE . – Senhor Presidente, Senhora Comissária, Senhor Presidente do Conselho, caros Colegas, falar de despesas de pagamentos é referir-se a investimentos já realizados a favor da inovação, da investigação, da promoção de crescimento inteligente, sustentável e inclusivo, da promoção do emprego. São despesas legalmente efetuadas com a concordância e a pedido dos Estados-Membros. Os beneficiários são jovens, pequenas e médias empresas, investigadores, universidades, autarquias locais. Não é aceitável que estas despesas já efetuadas não tenham os montantes suficientes para serem pagas. Aqui não se trata de poupar, aqui trata-se de pagar aquilo que se deve. Só na política de coesão temos mais de 23,4 mil milhões de euros de despesa já realizada, para a qual não há disponibilidade financeira. Todos os estudos demonstram que a política de coesão contribui positivamente para todos os 28 Estados-Membros e para as suas 272 regiões. É que, para além das infraestruturas, estamos a falar também do apoio aos jovens, da formação, da inovação, da investigação, da defesa do ambiente, do crescimento sustentável.

As instituições da União Europeia têm de ser exemplares no que diz respeito aos compromissos assumidos. Ora, as despesas de pagamentos são compromissos assumidos e já realizados. Não pagar significa, para além do desrespeito dos compromissos, uma quebra de solidariedade para com os Estados-Membros e as regiões que estão em maior dificuldade.

O Conselho tem de colaborar na resolução do problema dos pagamentos. Não o fazer é atuar contra si próprio, é perder autoridade e credibilidade. Espero, por isso, que o Conselho contribua para a adoção dos orçamentos retificativos que estão propostos e que permitem minorar o problema dos pagamentos. E parabéns à Comissão pelo facto de ter apresentado orçamentos retificativos que vão ao encontro da solução deste problema.

activities/MOTION/8/0/term deleted 8
activities/MOTION/8/0/type deleted MOTION
activities/MOTION/8/1/term deleted 8
activities/MOTION/8/1/type deleted MOTION
activities/QP/8/0/term deleted 8
activities/QP/8/0/text deleted

The conflict in Ukraine is worsening, and it is exacerbating the impact of the freezing winter temperatures, making the population’s precarious living conditions even worse.

1. What practical measures has the Commission implemented or will it implement to help the people of Ukraine cope with the cold?

2. Can the Commission ensure that the supply of gas guaranteed in the agreement signed in late October will indeed reach citizens on the ground, at least up to March, so that Ukrainians will be able to overcome the difficulties posed by the worst of the winter temperatures?

3. Is there any programme or logistical system available to support voluntary action and shows of solidarity by associations or groups of European citizens who wish to make a contribution and help lessen the difficulties and suffering of the Ukrainian population, particularly in this winter period?

activities/QP/8/1/term deleted 8
activities/QP/8/1/text deleted

1. In which Commission-run programmes, preparatory actions, and pilot projects do young people have the opportunity to participate? How much funding is allocated to the above activities? 2. What forms of support are provided in the EU to promote youth employment and what amounts are earmarked for that purpose? 3. Which Member States have established Youth Guarantee schemes and how much funding have they sought for them?

activities/REPORT/8/0/dossier deleted
  • 2014/2161(BUD)
    • 3.70.11 Natural disasters, Solidarity Fund
    • 8.70.54 2014 budget
activities/REPORT/8/0/term deleted 8
activities/REPORT/8/0/type deleted REPORT
activities/REPORT-SHADOW/8/0/dossier deleted
  • 2014/2185(BUD)
    • 3.20.01 Air transport and air freight
    • 4.15.05 Industrial restructuring, job losses, redundancies, relocations
    • 8.70.54 2014 budget
activities/REPORT-SHADOW/8/0/term deleted 8
activities/REPORT-SHADOW/8/0/type deleted REPORT-SHADOW
activities/REPORT-SHADOW/8/1/dossier deleted
  • 2014/2170(BUD)
    • 3.40.06 Electronics, electrotechnical industries
    • 4.15.05 Industrial restructuring, job losses, redundancies, relocations
    • 8.70.54 2014 budget
activities/REPORT-SHADOW/8/1/term deleted 8
activities/REPORT-SHADOW/8/1/type deleted REPORT-SHADOW
activities/REPORT-SHADOW/8/2/dossier deleted
  • 2014/2183(BUD)
    • 3.40.17 Manufactured goods
    • 4.15.05 Industrial restructuring, job losses, redundancies, relocations
    • 8.70.54 2014 budget
activities/REPORT-SHADOW/8/2/term deleted 8
activities/REPORT-SHADOW/8/2/type deleted REPORT-SHADOW
activities/REPORT-SHADOW/8/3/dossier deleted
  • 2014/2040(BUD)
    • 8.70.55 2015 budget
activities/REPORT-SHADOW/8/3/term deleted 8
activities/REPORT-SHADOW/8/3/type deleted REPORT-SHADOW
activities/REPORT-SHADOW/8/4/dossier deleted
  • 2014/2054(BUD)
    • 3.40.18 Services sector
    • 4.15.05 Industrial restructuring, job losses, redundancies, relocations
    • 8.70.54 2014 budget
activities/REPORT-SHADOW/8/4/term deleted 8
activities/REPORT-SHADOW/8/4/type deleted REPORT-SHADOW
activities/REPORT-SHADOW/8/5/dossier deleted
  • 2014/2055(BUD)
    • 3.40.07 Building industry
    • 4.15.05 Industrial restructuring, job losses, redundancies, relocations
    • 8.70.54 2014 budget
activities/REPORT-SHADOW/8/5/term deleted 8
activities/REPORT-SHADOW/8/5/type deleted REPORT-SHADOW
activities/REPORT-SHADOW/8/6/dossier deleted
  • 2014/2041(BUD)
    • 8.70.54 2014 budget
activities/REPORT-SHADOW/8/6/term deleted 8
activities/REPORT-SHADOW/8/6/type deleted REPORT-SHADOW
2014-12-27
2014-12-26
2014-12-25
2014-12-24
2014-12-23